quarta-feira, dezembro 10, 2008

Milão: 3º e último dia de filmes, e do festival...



Apesar deste relato chegar com mais de uma semana de atraso parece-me conveniente manter a ordem cronológica, até porque as notícias interessantes não perdem a actualidade no Bicicleta na Cidade.













O último dia do Bicycle Film Festival em Milão foi ameno, depois da neve e da chuva. No meio da adversidade, nenhuma das actividades outdoor previstas no programa foi cancelada. No Domingo decorreu a corrida de ciclocross urbano (à qual não assisti) e um jogo de bike polo. Este jogo consiste, já se vê, em jogar polo sem cavalo usando uma bicicleta de roda fixa em substituição. A roda fixa não é obrigatória, segundo as regras de vários grupos que consultei (por exemplo aqui e aqui) mas em Milão não vi nenhum jogador com outro tipo de bicicleta. A modalidade, ou variante, a que assisti chama-se "hard court" e assemelha-se às versões street ou urban de alguns desportos: qualquer ringue desportivo ou corte de ténis serve. No jogo ao qual assisti as regras estabeleciam equipas de 3 jogadores, ganhando aquela que primeiro marcasse 3 golos. A equipa que perdesse dava lugar a outra, no fundo uma "roda bota fora".
As balizas e o campo (na Piazza San Fedele)


O grupo Milano Fixed organiza jogos como este, que integrou o programa oficial do BFF, todas as quartas-feiras às 21h30 (o que é de louvar tendo em conta o frio que por lá faz...).

De resto, no último dia de filmes foi exibido "Standing Start" que também passou no DocLisboa 2008, um filme de 12 minutos sobre o ciclista olímpico Craig MacLean. Destaco-o dos restantes filmes que vi nesta sessão (infelizmente não todos porque tinha um avião para apanhar...) pela sua realização, que consegue fazer suster a respiração do público ou, pelo menos, sincronizá-la com a do protagonista, corredor olímpico.

Nos próximos posts trarei mais novidades de Milão, tentando dar ainda atenção a outros aspectos da cultura ciclista daquela cidade que vão para além do Bicycle Film Festival. Segue-se Portland, EUA, que fecha a edição de 2008 do BFF. Quanto a 2009, aguardam-se novidades que se esperam breves. Ciao!



5 comentários:

Bruno disse...

Épico! :-D

guerradossantos@gmail.com disse...

Excelente festival este.
Parabéns pelo passeio e testemunho.

Paulo Santos

Andreia Nogueira disse...

Olá amigos,

Antes de mais gostava de dizer que adorei o vosso site, por toda a informação útil que tem, e também pela coragem de mostrar que não será assim tão difícil andar de bicicleta no meio de Lisboa.
Tenho uma questão na qual talvez me possam ajudar:
Andar de bicicleta à noite em Lisboa pode ser perigoso, mesmo com os obrigatórios capacete e colete? Isto porque trabalho á noite e infelizmente a rede de transportes de Lisboa (excepto fins-de-semana) por e simplesmente não existe.
Muitissimo obrigada pela ajuda e Parabens pelo vosso trabalho!
Andreia Nogueira

João Taborda disse...

Andreia,

Nem o colete nem o capacete são obrigatórios...

o obrigatório, à noite, são luzes, à frente e atrás, acho tb sensato ter reflectores e tomar uma posição no transito mais visível (centro da estrada e não a berma) para os carros prepararem o encontro com o ciclista a alguma distancia deste...

visto haver menos transito à noite, é uma altura bem agradável e segura para pedalar de volta a casa...

;)

Ricardo Sobral disse...

Olá Andreia,

o João Taborda já disse o essencial, eu apenas acrescento que poderá haver algum medo de andar de bicicleta à noite que esteja associado à ideia de "bike jacking" ou furto. Não há dados conhecidos em Lisboa que provem que isto alguma vez tenha acontecido. Da minha experiência como ciclista (também) nocturno, sinto-me mais seguro em cima de uma bicicleta do que andando a pé, uma vez que posso fugir mais depressa se me sentir ameaçado. Pensa nisto!

Ricardo